24 setembro 2007

O TEU OLHAR MÃE













Esse olhar teu,
Não sei que tem...
Faz-me lembrar
Aquele olhar
Da Santa mãe
Que está no céu

Tão meigo e triste,
Faz-me cismar...
Só lá no céu
Encontro eu,
Algo que existe
No teu olhar!

Olhar que encanta,
Que cura a dor
Oh meu amor,
És uma Santa

Um carinho da:
Conceição Bernardino

20 setembro 2007

FALAR DE AMOR














Falar de amor é falar de ti... de instantes que ninguém compreenderia...

É sorrir, brincar, brigar e, logo depois... Estarmos juntos….

Falar de amor é lembrar-me de ti... fala-se de amor com o toque, a magia do olhar... com as lágrimas de saudade deslizando sobre o sorriso ao lembrar do riso teu...

Falar de amor é pensar em coisas simples... é querer dividir, somando e ao somar, dividir... é estar juntos rindo por qualquer coisa, compartilhando o mesmo sanduíche e a mesma Coca-Cola...

Falar de amor é querer sentir o teu beijo... é sentir-te e jamais saber quem é quem... se és tu se sou eu, ou se eu sou tu.

Falar de amor é compreender que nem tudo é possível nem perfeito... mas que podemos e devemos sonhar com o impossível e sabermos que para o amor não existe essa história de perfeição e imperfeição...

Falar de amor é falar de ser feliz... é lutar por um ideal sabendo que, no começo, meio e fim, existes tu...

Falar de amor é não falar... é sentir cada momento como um ritual...

Falar de amor é esperar... sem querer saber se as horas passam devagar ou depressa...

É simplesmente esperar por quem sabemos que nos espera...

Falar de amor é entregar... uma entrega total, livre, sem medo de se perder no ser a quem se ama... pois é nele que nos encontramos...

Falar de amor é conjugar o nós... não existindo o eu ou o tu...

13 setembro 2007

SOLIDÃO















É o sol que não quer nascer
É a lua que brilha em vão
É o emigrar das estrelas
É o nascer de uma solidão
Numa multidão invisível
Porque os meus olhos
Estão molhados e sombrios
Sem esperança, sem luz...
É uma vida sem vida
Um corpo sem alma
Um coração gelado
Um sonho inacabado.
É um olhar perdido
Em busca, em angústia,
No caos dos sentimentos
Porque tu meu amor...
No instante que me deixas
No momento de despedida
Levas sempre contigo...
A vida da minha vida!

09 setembro 2007

QUERO











Quero estar na tua vida
Mas nem amigo, nem amante
Nem tão perto, nem distante

Quero na tua vida
ser somente importante

Não interessa porque porta eu entre
Quero entrar na tua vida docemente
Me instalar delicadamente
Quero estar na tua vida
Esteja ela alegre ou conflitante
Tranqüila ou angustiante

Quero ficar na tua vida
por um longo tempo
Estar presente em todo momento

Quero te guiar
sempre que tu achares
Que está difícil de se ver

E toda vez que as lágrimas quiserem cair
E que tu não as conseguires secar
Quero estar na tua vida de um jeito diferente

Nem de costas e nem de frente
Caminhando lado a lado
Num silencio acomodado
Aberto para ser só para ti
Teu sol e teu entardecer
Tua noite e teu amanhecer

Quero estar na tua vida, discreta
Mas sempre com a porta aberta
Sempre pronto para te receber
Faça chuva ou faça sol dentro de ti

Quero ser na tua vida, eterna
Mas nunca te prender, nem te pertencer
Nem te escravizar, nem te fazer sofrer

Quero estar na tua vida daquela maneira
Que sonhamos ser possível a vida inteira
Sem cobranças, sem vinganças
Sem grandes metas
Viajando apenas numa reta
Somente presente... eternamente!

Assinado: JESUS!

07 setembro 2007

RECORDAR (Homenagem)














Ave-maria, gratia plena.
Maria, gratia plena
Maria, gratia plena
Ave, ave dominus,
Dominus tecum.
Benedicta tu in mulieribus,
Et benedictus
Et benedictus fructus ventris
Ventris tui, Jesus.
Ave Maria.

(Some versions add the following)

Santa Maria,
Ora pró nobis,
Nobis peccatoribus,
Nunc et Ivo hora
Mortis nostrae.
Amen

Autor:Luciano Pavarotti

05 setembro 2007

O POEMA DA PAZ

















O dia mais belo? Hoje.
A coisa mais fácil? Equivocar-se.
O obstáculo maior? O medo.
O erro maior? Abandonar-se.

A raiz de todos os males? O egoísmo.
A distracção mais bela? O trabalho.
A pior derrota? O desalento.
Os melhores professorem? As crianças.

A primeira necessidade? Comunicar-se.
O que mais faz feliz? Ser útil aos demais.
O mistério maior? A morte.
O pior defeito? O mau humor.

A pessoa mais perigosa? A mentirosa.
O sentimento pior? O rancor.
O presente mais belo? O perdão.
O mais imprescindível? O lar.

A estrada mais rápida? O caminho correcto.
A sensação mais grata? A paz interior.
O resguardo mais eficaz? O sorriso.
O melhor remédio? O optimismo.

A maior satisfação? O dever cumprido.
A força mais potente do mundo? A fé.
As pessoas mais necessárias? Os pais.
A coisa mais bela de todas? O amor.


Autoria: Madre Teresa de Calcutá