18 abril 2009

O MEU ABRAÇO














Abraço-te, meu amor
Percebo-te no silêncio dos teus lábios
Nos olhos húmidos
Repousando na maresia,
Pintada pelo sol
Em cores que não se sabem dizer;
Não se copiam.
Sinto os teus braços
Nos meus,
Sinto todo o teu corpo tremer.
O teu cabelo fala ao vento
E liga-se aos meus lábios
Olhamos,
Com o olhar paralelo,
Como se fossemos
Um par de dois olhos
Um ser estranho,
Bicéfalo.
A ternura da tua pele
Arrecadada nos meus dedos,
Tem a textura de todas as memórias,
O sabor de ti
O teu cheiro
Que me violenta e inebria
Que não me deixa esquecer,
Que vivo de ti.
Depois ficam as palavras,
Lidas, relidas,
O tema sempre repetido
Eterno amor.
Que do resto,
Do mundo de todas as histórias,
As cicatrizes da alma
Mostram,
Testemunhas
Permanentes, confidentes
Que nunca nos deixam sós.
Eternamente tua Naty

2 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

“Nada há de mais poderoso que uma idéia
Que chegou no tempo certo.”
Victor Hugo

Tenha uma semana maravilhosa.
Abraço

Sônia

Parapeito disse...

..e que este abraço seja eterno :))

Tudo de bom ****